segunda-feira, 23 de outubro de 2017

ARENA D' ÉVORA ENCERRA TEMPORADA A 29 DE OUTUBRO

A cidade de Évora diz adeus à temporada 2017 com uma corrida de touros de seis cavaleiros.
Rui Salvador, Francisco Cortes, Gilberto Filipe, 
Francisco Palha, Manuel T. Bastos e  praticante António Prates.
Forcados Amadores de Santarém e Évora.
Toiros de São Torcato
Reservas: 938 275 131.
Vá aos toiros é a última corrida da temporada

TERTÚLIA MONTEMORENSE ENTREGA TROFÉUS


João Moura Júnior
A Tertúlia Montemorense, ja escolheu os triunfadores de 2017, na castiça praça de touros de Montemor.
Francisco Borges dos Amadores de Montemor
Melhor cavaleiro João Moura Júnior, melhor Forcado Francisco Borges e o touro nº 24 da ganadaria de Dr. António Silva Herdeiros.
Os troféus serão entregues durante um jantar em Montemor no dia 24 de Novembro.

REVISTA EQUITAÇÃO: BREVEMENTE NUMA BANCA PERTO DE SI. NA CAPA MARIA MOURA CAETANO COUCEIRO

Mais uma Revista Equitação prestes a chegar às bancas, nesta edição com a Campeã de Portugal de Dressage Maria Caetano Couceiro na capa, com Coroado, PSL com o qual venceu o título pela 4.ª vez! O que acha? (foto: José Afonso) — com José Veiga MaltezJoão Paulo MarquesRicardina MenezesPci Sport HorsesGorjão Clara João PedroCátia M CastroAntónio VicenteMaria Caetano CouceiroOlivia Pimentel Reiki Equestre,Yeguada Finca Tineo e Feira Nacional Do Cavalo.

Fonte: Revista Equitação.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

" À MESA DO CAFÉ" COM O GRANDE FORCADO FRANCISCO ARAUJO " FAZE"

Grande pega de Faze na praça México
O tauromaquia Alentejana foi até Estremoz, ao encontro de um grande forcado, dequeles forcados à antiga, Francisco Araujo "Faze."

T.A - Faze como foi a tua entrada para o mundo da Forcadagem, foste por iniciativa
         Própria, ou com algum amigo, e em que ano foi a primeira pega e os grupos que 
         vestiste a jaqueta de ramagens?
FZ -A minha entrada no mundo dos toiros, acontece devido à minha forma de estar 
        na vida sou um amante do desafio, e adoro animais.
        Numa garraiada de carnaval em Estremoz, com alguns elementos dos Lusitanos
        a assistir pois iam treinar a seguir, saiu um novilho que representava algum respeito
A primeira pega do Faze na Malveira  em 1981 com
uma grande ajuda do saudoso António Lapa
        para o grupo de amigos que estava fardado para pegar nesse espetáculo. Como não
        havia ninguém para pegar, foi dito que iam os Lusitanos, ao que eu respondi de pronto
        para irem eles ia eu. A pega correu bem de tal forma que recebi logo o convite para 
        ir treinar com os Lusitanos onde honrei a jaqueta de ramagens no início da minha 
        carreira como Forcado. Ainda representei o grupo do Alentejo e amadores de Elvas,
        os dois como cabo.
        A minha primeira pega, foi no ano de 1981 na Malveira ajudado pelo grande Forcadão
        António Lapa, que já faleceu, um toiro muito fechado e como era o mais "fino" fui o eleito.

T.A- Faze nos teus tempos de Forcado, era mais difícil ou mais 
         fácil ser Forcado?
FZ -  Os tempos terão sempre os seus bons Forcados, hoje os 
          toiros apresentam as suas dificuldades e este ano, foi um
          ano muito duro para os Forcados. Houve emoção para 
          o bem da festa, pena  a morte desses dois jovens, paz às 
          suas almas. No meu tempo os grupos eram menos, toiros
          com outro andamento e pegávamos mais toiros. Nos tempos
          do Grupo Lusitanos, nunca peguei menos de 12 toiros por
          época. Cheguei mesmo a pegar 7 toiros em 15 dias, numa 
          digressão que fizemos a França.
           Quanto aos grupos hoje em dia a minha opinião é que há 
           mais Forcados e grupos, como tal tem que haver mais 
           qualidade quer a nivel dos grupos como a nivel dos Forcados.
           O Forcado é o elemento essencial da festa brava, é ele que enche
           as praças, pois os cavaleiros lusos perderam peso nesse aspeto.
           O toiro põe tudo no seu lugar, por isso não podemos a andar 
           a escolher toiros à medida como se faz.
           Quanto ao numero de grupos, espero que haja cada vez mais e
           que não se distingam entre associados e não associados, não faz
           sentido, pois têm todos com os mesmos ideais e objetivos.

     T.A- O Faze foi um Forcado dos duros, que representou o  grupo de 
              Forcados Amadores Lusitanos, como foi representar esse grupo?
      FZ- Os Lusitanos foi um grupo formado por Fernando Hilário, para
              atuar no estrangeiro que depois teve  continuidade no nosso país,
              eu apareci miúdo no meio de uma "selecção" de Forcados feitos e 
              de muito valor. Com 18 anos peguei nas maiores praça do mundo,
              México, Madrid Nimes, Campo Pequeno entre outras, era a coqueluche
              como me apelidaram. Sempre tive a humildade para seguir os conselhos
               de todos os grandes Forcados que me rodearam.
               Em 1983 o Francisco Costa pega então nos Lusitanos e o grupo continua 
               a marcar as épocas fazendo um grande número de corridas por temporada
               que hoje nenhum  grupo consegue atingir o que também se consegue
               compreender devido ao número de grupos no ativo.
       
       T.A-No teu entender, e como um Forcado com muita experiência, o que é que 
               um jovem Forcado tem que ter para ser um Forcado com um F grande?
        FZ- O que eu tenho a dizer a um jovem que quer Forcado é que acima de tudo
                deve ter muita humildade e saber ouvir os conselhos dos mais velhos. 
Pega de Faze como primeiro ajuda António Santos que faleceu na praça de touros de Albufeira ao pegar um toiro
                O Forcado é um artista, um romântico onde conjuga a técnica com a 
                inteligência ao serviço de uma tradição. Exige esforço dedicação e lágrimas.
                Os grupos devem ser uma família e uma escola de virtudes.
                 Imponham-se sempre pelo bem e nunca pelo mal. Nós Forcados somos pessoas
                 de bem e amigos. O caminho é feito com os passos que dás na arena e fora dela.

          T.A- Faze recordo-me que assisti a uma fardação tua, e que tinhas uma mala velhinha,
                   onde transportavas a tua farda, e tu disseste que quando te retira-ses, a velhinha
                   mala continuava sempre pronta e com a farda dentro, para uma eventual pega,
                   continuas a pensar igual?
           FZ-  É verdade ainda tenho a minha velha mala com a farda dentro, acho que neste
                    momento apenas por uma causa solidária alinho. Essa mala velhinha já na altura
                    teve um comentário de uma miudinha, que era a filha do Chico Costa e me 
                    comparou ao inspetor Colombo, que tinha uma gabardine velha que usava sempre
                    na sua profissão. Então ela disse que era como o Colombo chegava com com a 
                    minha mala resolvia o caso e partia muito discreto.
                    Eu nunca me quis despedir das arenas pois ainda continuo como Forcado. Serei 
                    sempre Forcado.

            T.A - Nos teus tempos de Forcado,  não havia telemóveis, como era feita a convocatória
                      para irem para as corridas?
              FZ- No meu tempo de Forcado, não havia telemóveis e net, a comunicação era difícil
                     mas a vontade era muita e contornávamos as dificuldades arranjando sempre 
                     formas. Nos Lusitanos temos uma história caricata com o Forcadão António dos
                     Santos que morrreu a pegar a pegar um toiro em Albufeira. O Fernando Hilário
                     através do telefone combinava com ele que o iam buscar na ponte de Vila Franca
                     para irmos para o México, como a pessoa que o ia buscar não o conhecia, foi dito
                     que teria que levar uma placa a dizer "México" que veio a acontecer.

              T.A-  Todos nós aficionados temos bem presentes a triste partida de dois jovens 
                       Forcados, o Pedro Primo e o Fernando Quintela, muitoa aficionados disseram
                       que as farpas que dobram que agora se utilizam, os toiros chegam para a pega 
                        com muito mais força, e com as farpas antigas não. Qual a tua opinião?
               FZ- Acho que dei o meu contributo numa simples homenagem que lhes prestei. Não
                       quero me quero aproveitar da ocasião para dar nas vistas como fizeram alguns
                       com responsabilidades. Agora penso que se pode e deve fazer muito mais pela 
                       segurança e acima de tudo ter meios e serviços de socorro à altura nas praças,
                       concordando com o que disse o meu amigo Dr. António Peças.
                       Estou disponível para dar uma ajuda assim como quero fazer um livro que 
                       englobe a tragédia dos Forcados, e o seu lucro reverta a favor de um fundo de 
                       assistência aos Forcados.
Um agradecimento ao Faze pela desponabilidade. Ainda continuas um Forcadão.

José Foles
 Fotos Dr. 


    
                    
                   
      


                   
                   
              
              

terça-feira, 17 de outubro de 2017

ÉVORA A 29 DE OUTUBRO GRANDIOSA CORRIDA DE TOUROS PELAS 17 HORA

Forcados Amadores de Santarém, aqui com o
"Maestro" João Moura
A Arena D´Évora recebe a 29 de Outubro a ultima corrida da temporada.
A favor da Associação de Dadores de sangue do Distrito de Évora.
M. Telles Bastos
Forcados Amadores de Évora
Em praça Ruí Salvador, Francisco Cortes, Gilberto Filipe, Francisco Palha, M.Telles Bastos e António Prates.
António Prates
Forcados Amadores de Santarém e Amadores de Évora.Toiros de São Torcatos. Corrida com o selo e garantia da empresa Toiros e tauromaquia,Lda.




domingo, 15 de outubro de 2017

CRÓNICA DO FESTIVAL TAURINO EM VILA BOIM

A pacata aldeia de Vila Boim no concelho de Elvas, esteve ao rubro neste fim de semana com o já tradicional fim de semana taurino.
Começou a 13 Sexta-Feira com demontração de toureio, e depois pela noite com aquele ambiente como tão bem Vila Boim sabe receber.
Dia grande foi no Sábado com o seu festival taurino, com a bancada bem recheada de taurinos, que foram muitos que ali marcam presença.
Em praça e bem decorada esteve a cavalo Francisco Cortes que recebeu muito bem o seu oponente, cravando de forma exemplar, a demonstrar uma vez mais, que o cavaleiro de Estremoz merece entrar em melhores cartéis.
Francisco Palha esteve a gosto em Vila Boim monta bem tem presença e sabe tourear.
O jovem Brito Paes já o vi em tardes melhor o mais jovem está um pouco verde, tem que desenhar um pouco mais as sortes, mas está no caminho certo para ser um bom cavaleiro.
Momento alto em Vila Boim, é e será sempre o apoio, que este festival dá ao toureio a pé.
De Espanha veio o "El Cartujano", matador retirado professor da escola taurina de Badajoz, foi um gosto vê-lo muito templado estando en su sitio esteve a gosto, e depois com música e voz flamenca, foi de facto uma mais valia para este festival taurino. Manuel Dias Gomes, esteve muito bem com o capote, e fino com a mulete, a mostrar que merece estar noutro patamar na tão dificil arte, de ser matador de touros.
O jovem Carlos Dominguez, aluno da escola de Badajoz, está muito verdinho, mas é jovem tem muito que aprender, mas está no bom caminho.
Forcados Amadores de Évora e Aposento da Moita.
Foram caras por Évora José M. Caeiro e Rui Bento.  Pelo Aposento da Moita J. Gomes.
No conjunto os novilhos de várias ganadarias cumpriram uns mais outros um pouco menos.
Os Romeiros de Vila Boim em conjunto com o Paulo Pessoa de Carvalho, proporcionaram uma vez mais um bom fim de semana taurina.
Como veternário esteve o Dr. José Miguel Guerra, e como delegado técnico tauromáquico o professor
Marco Gomes.
Quanto a Vila Boim é tudo já estamos à espera do X festival solidário em Vila Boim.

Simão Foles